Parceiros

Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos

Sobre a BPBES

A Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES, na sigla em inglês) é uma iniciativa criada em 2015 que congrega um grupo independente formado por cerca de 120 autores, dentre professores universitários, pesquisadores, gestores ambientais e/ou tomadores de decisão. Seu objetivo é produzir sínteses do melhor conhecimento disponível pela ciência acadêmica e pelos saberes tradicionais sobre as temáticas da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos e suas relações com o bem-estar humano, com foco nos biomas continentais do Brasil (Amazônia, Mata Atlântica, Caatinga, Cerrado, Pantanal, Campos Sulinos) e no costeiro-marinho. Para tanto, promove reuniões setoriais de trabalho com grupos de interesses variados – como representantes do governo federal, organizações não governamentais, empresas, etnias indígenas e jornalistas – com o intuito de compartilhar os principais resultados, debater e ouvir críticas e sugestões. A iniciativa é inspirada na Plataforma Intergovernamental de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES) da ONU, criada em 2012 e que funciona como o “IPCC da Biodiversidade”. A BPBES conta com o apoio financeiro do CNPq e do Programa Biota/Fapesp e tem o apoio institucional da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), da Academia Brasileira de Ciências (ABC) e da Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS).

https://www.bpbes.net.br/

contato: contato@bpbes.net.br

Coordenação

Carlos Joly Coordenação geral. É graduado em ciências biológicas pela USP (Universidade de São Paulo). Obteve seu mestrado na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) (1979) e o seu doutorado na Universidade St. Andrews, na Escócia.

Atualmente é membro titular da Academia Brasileira de Ciências, coordenador do programa BIOTA/FAPESP e do sítio Gradiente Funcional da Floresta Ombrófila Densa Atlântica. É professor titular em ecologia vegetal do Departamento de Biologia Vegetal da Unicamp.

Aliny P. F. Pires Coordenação executiva. É bióloga e doutora em ecologia pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Atualmente é professora da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e pesquisadora da BPBES (Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos), onde atua como coordenadora geral do relatório temático “Água: biodiversidade, serviços ecossistêmicos e bem-estar humano no Brasil”. É pesquisadora vinculada à sub-rede Biodiversidade e Ecossistemas da Rede Clima (Rede Brasileira de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais).

Cristiana Seixas Coordenação executiva. É bióloga e doutora em recursos naturais e manejo pela University of Manitoba, no Canadá, e pesquisadora do Nepam (Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais) da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), onde cocoordena o grupo CGCommons (Conservação e Gestão de Recursos de Uso Comum) e o Leme (Laboratório de Manejo e Ecologia de Ecossistemas). Atua na IPBES (Plataforma Intergovernamental de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos) como cochair do Regional Assessments Americas.

Paula Drummond de Castro Coordenação executiva. É pós-doutoranda em divulgação científica e cultural no Labjor-Unicamp (Laboratório de Estudos Avançados de Jornalismo da Universidade Estadual de Campinas). Interessa-se pelas relações que circunscrevem a relação ciência-sociedade. É bióloga, especialista em jornalismo científico e doutora em política científica e tecnológica. É editora do Boletim Interfaces BPBES e do Boletim Biota Highlights, além de coordenadora de comunicação do Genomics for Climate Change Research Center.

Rafael Loyola Coordenação Executiva. É diretor científico da Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável, membro da Academia Brasileira de Ciências, bolsista de Produtividade em Pesquisa nível 1A do CNPq e professor do Departamento de Ecologia da UFG (Universidade Federal de Goiás). É autor de mais de 200 publicações científicas, editor para as Américas da revista Biological Conservation e assessor científico de órgãos de fomento internacionais e nacionais.

Pesquisadores

Alice Ramos de Moraes é bióloga, com mestrado e doutorado em ecologia pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). É pesquisadora junto ao Laboratório de Ecologia e Manejo de Ecossistemas e colabora com o CGCommons (Grupo de Conservação e Gestão de Recursos de Uso Comum), ambos no Nepam (Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais) da Unicamp. Suas pesquisas envolvem serviços ecossistêmicos e bem-estar humano.

Anazélia Tedesco é bióloga e mestre em ciências biológicas formada pela Universidade Federal do Espírito Santo. Atualmente é doutoranda em ciência da conservação pela University of Queensland, na Austrália. Especialista em conservação e restauração de florestas tropicais, atua como pesquisadora do Centre for Biodiversity and Conservation Science da University of Queensland e do International Institute for Sustainability Australia.

Blandina Felipe Viana é bióloga e agrônoma pela UnB e mestre e doutora em ecologia pela USP. É professora titular da UFBA. Coordenou um dos capítulos da “Avaliação temática sobre polinizadores, polinização e produção de alimentos” da IPBES. É vice-coordenadora do INCT em Estudos Interdisciplinares e Transdisciplinares em Ecologia e Evolução.

Bráulio A. Santos é biólogo, mestre em biologia vegetal pela UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) e doutor em ciências pela Universidad Nacional Autónoma de México. Atualmente é professor da UFPB (Universidade Federal da Paraíba), onde coordena o Laboratório de Ecologia Aplicada e Conservação.

Cristina Adams é ecóloga humana e professora associada da EACH-USP (Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo). É docente do bacharelado em gestão ambiental na EACH e dos programas de Pós-Graduação em Modelagem de Sistemas Complexos na EACH, de Ecologia Aplicada na Esalq-USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da USP) e de Ciência Ambiental no IEE-USP (Instituto de Energia e Ambiente da USP). É expert na IPBES (Plataforma Intergovernamental da Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos) e na BPBES (Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos). É coordenadora do projeto P/BIO (Povos Indígenas, Tradicionais e Quilombolas. Biodiversidade e Políticas Públicas no Brasil).

Cristina Baldauf é doutora em biologia vegetal pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Atualmente é professora da Ufersa (Universidade Federal Rural do Semi-Árido), onde coordena o Laboratório de Etnoecologia e Biodiversidade. Também é embaixadora do Programa Parent in Science na região Nordeste.

Diego A. Zoccal Garcia é biólogo e doutor em ciências biológicas (biodiversidade e conservação) pela Universidade Estadual de Londrina. Atualmente realiza seu pós-doutorado relacionado à ecologia de peixes e invasões biológicas.

Fabio Scarano é engenheiro florestal, Ph.D. em ecologia e professor titular da UFRJ. Atuou nos painéis da ONU para o clima e biodiversidade e foi dirigente no Jardim Botânico do Rio, na Conservação Internacional e na FBDS. Recebeu dois Prêmios Jabuti. Seu livro mais recente é Regenerantes de Gaia (2019). Membro do Conselho Científico da BPBES.

Felipe P. L. Melo é biólogo, doutor em ecologia (Universidad Nacional Autónoma de México), professor da Universidade Federal de Pernambuco e membro do conselho técnico-científico da BPBES (Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos). É especialista nas áreas de ecologia política, conservação e Caatinga.

Gerhard Ernst Overbeck é engenheiro em planejamento ambiental e doutor em ecologia. Professor no Instituto de Biociências da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Realiza pesquisa sobre conservação e restauração dos recursos naturais. Membro do Conselho Científico da BPBES e coordenador do relatório “Agricultura, Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos” da BPBES.

Helder Araujo é biólogo com mestrado e doutorado em ciências biológicas pela UFPB (Universidade Federal da Paraíba). Atualmente é professor no Departamento de Biociências do Centro de Ciências Agrárias da UFPB, onde coordena projetos relacionados com agropecuária sustentável no semiárido.

José Sabino é biólogo, professor na Uniderp de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, coordenador do Projeto Peixes de Bonito e conselheiro da BPBES (Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos). Trabalha na interface entre ecologia, comportamento animal e conservação, com foco em uso sustentável da biodiversidade.

Juliana Hipólito é bióloga e doutora em ecologia pela Universidade Federal da Bahia no tema polinização. É pesquisadora e professora de pós-graduação no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e membro afiliado da Academia Brasileira de Ciências.

Kayna Agostini tem doutorado em biologia vegetal pela Unicamp. É docente da UFSCar e coordena a Rebipp (Rede Brasileira de Interações Planta-Polinizador) desde 2016. Atua na área de biologia da polinização, com enfoque na polinização de áreas urbanas e agrícolas.

Leonardo de Oliveira Parangaba é membro do LEI/UFMS (Laboratório Ecologia da Intervenção) , biólogo formado pela UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) , e atualmente mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Conservação da UFMS, tendo como tema de dissertação “Relação entre políticas públicas de restauração e níveis de desenvolvimento humano em escala global”.

Letícia Couto Garcia é coordenadora do LEI/UFMS (Laboratório Ecologia da Intervenção) , bióloga formada pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) onde fez seu mestrado em ecologia, doutora em biologia vegetal pela Unicamp (Universidade estadual de Campinas) com período sanduíche na University of Western Australia, pós-doc pelo Cria (Centro de Referência em Informação Ambiental), atualmente é professora adjunta da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e orienta nos programas de pós-graduação em ecologia e biologia vegetal, e coordenadora do setor da botânica

Ludmilla Pugliese de Siqueira é diretora da empresa Kawa Estratégias Sustentáveis. Já atuou em diversas iniciativas de conservação, restauração e políticas públicas. Atualmente é coordenadora nacional do Pacto pela Restauração da Mata Atlântica, sendo membro do conselho de ONGs e comitês científicos na área de restauração e diversidade.

Ludmila Rattis é bióloga, doutora em ecologia pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), pesquisadora do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia, no Brasil, e do Woodwell Climate Research Center, nos EUA.

Maíra Padgurschi é bióloga, Ph.D. em biologia vegetal pela Unicamp, é pesquisadora no Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura/Unicamp e no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia no tema biodiversidade, serviços ecossistêmicos e sustentabilidade. Membro do Conselho Científico da BPBES.

Manuela Carneiro da Cunha é antropóloga, professora titular aposentada da FFLCH-USP (Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo) e emérita da Universidade de Chicago, nos EUA. É membro da Academia Brasileira de Ciências e da Comissão Arns de Direitos Humanos. É membro da Força Tarefa de Conhecimentos de Povos Indígenas e Comunidades Locais (2014-2019) e overall review editor do Global Assessment (2017-2019) da IPBES (Plataforma Intergovernamental da Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos). É organizadora, entre outros, dos livros Direitos dos índios, ensaios e documentos (1987), História dos índios no Brasil (1992) e coorganizadora do livro Direitos dos povos indígenas em debate (2018). É coordenadora do projeto P/BIO (Povos Indígenas, Tradicionais e Quilombolas. Biodiversidade e Políticas Públicas no Brasil).

Marina Wolowski é professora adjunta na UNIFAL-MG (Universidade Federal de Alfenas e participa da REBIPP (Rede Brasileira de Interações Planta-Polinizador). Atua em pesquisa para entender o papel dos polinizadores na reprodução de plantas e na produção agrícola.

Mário L. Orsi é biólogo, pesquisador e docente de Pós-graduação da Universidade Estadual de Londrina, doutor em zoologia pela Unesp-Botucatu, desenvolve projetos relacionados a invasões biológicas e conservação de espécies nativas.

Michele de Sá Dechoum é professora adjunta da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), onde coordena o LEIMAC, e é colaboradora do Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental. Atualmente é coordenadora geral do Diagnóstico Brasileiro sobre Espécies Exóticas Invasoras, Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos da BPBES.

Miguel Calmon é PhD em ciências do solo pela Universidade Penn State, mestre em engenharia de irrigação pela Katholieke Universiteit Leuven e engenheiro agrônomo pela Universidade Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Durante os primeiros 15 anos de sua carreira profissional, trabalhou na área de pesquisa e extensão rural e gestão de empreendimentos agropecuários. Nos últimos 20 anos tem atuado na agenda de conservação e restauração de florestas e paisagens, com experiência na América Latina, África e Ásia.

Pedro Brancalion é professor associado do Departamento de Ciências Florestais da Universidade de São Paulo, vice-coordenador do Pacto pela Restauração da Mata Atlântica e membro afiliado da Academia Brasileira de Ciências.

Philip M. Fearnside é pesquisador titular do Inpa (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia) desde 1978. Ecólogo, é pesquisador 1-A do CNPq e membro da Academia Brasileira de Ciências. Tem mais de 600 publicações.

Rachel Bardy Prado é bióloga e doutora em ciência da engenharia ambiental, pesquisadora da Embrapa Solos, RJ, nas áreas de manejo e conservação de bacias hidrográficas, recursos hídricos e serviços ecossistêmicos. Presidente do Portfólio Serviços Ambientais da Embrapa e coordenadora do relatório “Agricultura, Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos” da BPBES.

Raísa Vieira é bióloga, doutora em ecologia e evolução pela UFG (Universidade Federal de Goiás). É pesquisadora no IIS (Instituto Internacional para Sustentabilidade) e diretora acadêmico-científico da ANPG (Associação Nacional de Pós-Graduandos).

Renato Crouzeilles é gerente sênior no Instituto Internacional para Sustentabilidade Rio e professor no mestrado profissional em ciência do meio ambiente da Universidade Veiga de Almeida.

Ricardo Gomes César é engenheiro florestal com doutorado em conservação de ecossistemas pela Universidade de São Paulo. Trabalha com ONGs nacionais e internacionais na restauração de florestas tropicais. No meio acadêmico, já participou de artigos sobre estes temas em revistas científicas como Nature e Science Advances.

Roberta Nocelli é bióloga, doutora em biologia celular e molecular e professora da UFSCar - Araras. Estuda os efeitos dos agrotóxicos sobre as abelhas e coordena o grupo de testes de toxicidade para abelhas brasileiras na Comissão Internacional para as Relações Planta-Polinizador.

Sonia Barbosa Magalhães é antropóloga, com pós-doutorado pela Université Sorbonne Paris Nord (2018). Atualmente é professora associada na UFPA (Universidade Federal do Pará). É docente no bacharelado em desenvolvimento rural, no Programa de Pós- Graduação em Agriculturas Amazônicas e no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia. É líder do grupo de pesquisa Ação Pública, Sociedades e Ambiente. É coordenadora do projeto P/BIO (Povos Indígenas, Tradicionais e Quilombolas. Biodiversidade e Políticas Públicas no Brasil).

Viviane Dib é bióloga, doutoranda em ecologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e pesquisadora no Instituto Internacional para Sustentabilidade. Em sua pesquisa aborda a água como serviço ecossistêmico, priorização de áreas para restauração florestal e valoração de serviços ecossistêmicos.

Parceiros

AfroBiotaBPBESBrazil LAB Princeton UniversityCátedra Josuê de CastroCENERGIA/COPPE/UFRJCEM - Cepid/FAPESPCPTEClimate Policy InitiativeGEMAADRCLAS - HarvardIEPSJ-PalLAUT