Parceiros

Núcleo de Pesquisa e Formação em Raça, Gênero e Justiça Racial

Sobre o Afro-CEBRAP

O Afro é um núcleo de pesquisa, formação e difusão sobre a temática racial vinculado ao Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP). Temos como prioridade a produção de pesquisa em diálogo com a sociedade civil, formadores de opinião e público interessado no debate sobre a temática racial e seus desdobramentos. Visamos dessa forma a contribuir para o enfrentamento do racismo, a promoção dos direitos humanos e o fortalecimento da democracia.

contato: afro@cebrap.org.br

O que fazemos

Fazemos pesquisa de caráter multidisciplinar visando a produção e a análise de dados de natureza quantitativa e qualitativa. Atuamos na formação intelectual e acadêmica de novos pesquisadores, na capacitação técnica de agentes públicos, privados e de organizações da sociedade civil e realizamos consultorias.

Para difusão de nosso trabalho, promovemos oficinas, eventos e seminários, tendo em vista a divulgação científica e o fortalecimento do debate sobre a igualdade racial no espaço público. Trabalhamos também para democratizar a linguagem e o acesso a dados, pesquisas e documentos sobre a temática racial. Buscamos o diálogo com lideranças políticas e comunitárias, bem como com demais formadores de opinião, com o fim de promover a pluralidade de ideias no debate público.

Nosso Objetivo

O Afro busca contribuir para o fortalecimento das pesquisas acadêmicas sobre desigualdades, relações raciais e interseccionalidade. Atua com vistas a qualificar o debate público sobre questões raciais, fortalecer a agenda de Direitos Humanos e da democracia, em especial no tocante à justiça e à igualdade racial e de gênero.

Atuamos em três áreas: Cultura e Identidades; Discriminação e Desigualdades; e Políticas e Direitos, tendo as perspectivas de raça, gênero, sexualidade e território como dimensões transversais.

Em Culturas e Identidades trabalhamos com o resgate e a sistematização de acervos do movimento negro, promovendo a preservação da memória, a disseminação da história e o diálogo intergeracional. Investigamos as trajetórias intelectuais e o pensamento negro brasileiro, movimento quilombolas e feminismo negro através de suas diversas linguagens de expressão: do hip-hop ao cinema, passando por coletivos universitários, periféricos e culturais.

Em Políticas e Direitos temos como eixos de atuação o direito e o antirracismo; a aplicação da lei antirracista, bem como as legislações vigentes e propostas, políticas para populações quilombolas, no Brasil como em outros países da América Latina. Em relação às políticas públicas, visamos a acompanhar as políticas de igualdade racial na região, sua construção, efeitos e mudanças.

Em Discriminação e Desigualdades realizamos a produção e análise de dados sobre a produção e reprodução das desigualdades raciais e das situações de discriminação em diferentes esferas: na educação, em especial no acesso ao ensino superior, no mercado de trabalho, no território, na violência e na política.

Coordenação geral:

Márcia Lima é professora do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP). É pesquisadora sênior associada ao Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP). É doutora em sociologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2001). Realizou pós-doutorado na University of Columbia (2011-2012) e foi visiting fellow no Hutchins Center for African and African American Studies da Universidade de Harvard (2016-2017). Atualmente é membro do Comitê Executivo da Brazilian Studies Association, 2017-2019. Seus temas de investigação são: desigualdades raciais e relações raciais, com ênfase nos temas de gênero e raça, educação, mercado de trabalho, políticas de ações afirmativas.

Pesquisadores:

Danilo França é pesquisador de pós-doutorado no NEPO-Unicamp desde 2018. Doutor em sociologia pela Universidade de São Paulo (2017), com período sanduíche na Brown University (EUA). Possui graduação em Ciências Sociais (2007) e mestrado em Sociologia (2010) pela Universidade de São Paulo. Atua principalmente nos seguintes temas: sociologia das relações raciais, segregação residencial, desigualdades raciais, demografia, sociologia urbana e desigualdades educacionais.

Flavia Mateus Rios doutorou-se na Universidade de São Paulo (USP, 2014), na qual obteve os títulos de bacharelado(2005) e de licenciatura em Ciências Sociais (2006) e também de mestre em Sociologia (2009). Durante o estágio doutoral, foi Visiting Student Researcher Collaborator em Princeton University, com bolsa Sanduíche da FAPESP (2013). Atualmente, é professora adjunta da Universidade Federal Fluminense (UFF), vice-coordenadora do curso de licenciatura em ciências sociais da referida instituição e coordenadora do Grupo de estudos e Pesquisa Guerreiro Ramos (ICHF-UFF). Coordenou o Simpósio de Pesquisas pós-graduadas sobre a questão racial da ANPOCS (2016-2018). Atua no comitê científico do Latin American Anti-racism in a Post-Racial Age (LAPORA, 2017-2018), é associada ao projeto Race and Citizenship in the America e integra o projeto Vozes do Genocídio da Juventude Negra (CNPq/2019). Tem experiência na área de Sociologia Política e da Cultura, com ênfase nos estudos sobre ação coletiva, teorias interseccionais, relações raciais e de gênero, educação e políticas de ações afirmativas no ensino superior.

José Mauricio Arruti é Professor Doutor do Departamento de Antropologia da UNICAMP. Desenvolve pesquisas com comunidades quilombolas e povos indígenas, em especial sobre Políticas de Reconhecimento, Território, Memória e Educação. Recentemente tem desenvolvido pesquisas sobre povos indígenas em contextos urbanos. Foi pesquisador do CEBRAP (2003 a 2006) e prof. da PUC-Rio (2007 a 2011), atuando também no campo da Antropologia Pública (1997 a 2007), como coordenador de projetos de pesquisa, comunicação e advocacy voltados a comunidades indígenas e quilombolas. Em 2018 realizou estágio pós-doutoral (BPE-FAPESP) na Jackson School of International Studies da University of Washington.

Marta Machado possui graduação, mestrado e doutorado em Direito pela Universidade de São Paulo. É professora em regime de período integral da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV) e coordenadora do Núcleo de Estudos sobre o Crime e a Pena da mesma instituição. É pesquisadora do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento e membro do Núcleo Direito e Democracia. Dentre suas principais linhas de pesquisa encontram-se os processos de juridificação de demandas sociais e as relações entre movimentos sociais e direito, nos quais, vem desenvolvendo estudos aplicados aos campos do racismo e das relações de gênero. Foi pesquisadora visitante de diversas universidades, dentre as quais a Universidade da Califórnia, Berkeley, e o Instituto Latino Americano da Freie Universität Berlin.

Matheus Gato é professor do Departamento de Sociologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de Campinas (IFCH-UNICAMP). É pesquisador do Núcleo Afro do Centro de Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP). É doutor em sociologia pela Universidade de São Paulo (2015) e realizou pós-doutorado na mesma instituição (2016-2019). Foi visiting fellow no Hutchins Center for African and African American Studies da Universidade de Harvard (2017-2018). Seus principais temas de investigação são: racismo, classificações raciais, violência racial, intelectuais negros, literatura e pós-abolição. Autor do livro “O Massacre dos libertos: Sobre raça e república no Brasil (1888-1889)”.

Natália Neris Paulo Ramos é doutoranda em Direitos Humanos na USP, Mestra em Direito pela FGV, Bacharela em Gestão de Políticas Públicas pela USP. Pesquisadora do Núcleo de Direito e Democracia do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (NDD/CEBRAP) e do Grupo de Estudos e Pesquisas das Políticas Públicas para a Inclusão Social da USP (GEPPIS/USP). Atualmente é coordenadora da área Desigualdades e Identidades do InternetLab – Pesquisa em Direito e Tecnologia. É co-autora do livro “O Corpo é o Código: estratégias jurídicas de enfrentamento ao revenge porn no Brasil” (InternetLab, 2016) e autora do livro “A voz e a palavra do Movimento Negro na Constituinte de 1988” (Letramento/Casa do Direito, 2018).

Paulo Ramos é cientista social, especialista em ciência política, mestre e doutorando em sociologia. Seus principais temas são relações raciais, movimentos sociais, juventude e violência. Desenvolveu e coordenou projetos de intervenção, pesquisa e publicações ligados às suas especialidades, como o Plano Juventude Viva – Plano Nacional de enfrentamento à mortalidade da juventude negra do Governo Federal, o Projeto Segurança Pública e Relações Raciais: a filtragem racial na seleção de Suspeitos (Min. da Justiça/UFSCar), o Projeto Reconexão Periferias (Fundação Perseu Abramo) [e o projeto Memória e Identidade Afro-Brasileira, do CEBRAP/UPenn].

Renata Braga é graduada em Relações Internacionais (USP, 2014), tendo cursado um ano do programa de mestrado em Políticas Públicas, na Sciences Po-Paris (2012-2013). Mestranda em Economia Política Mundial (UFABC) e Visiting Research Fellow do Africana Studies Department da Brown University (2020). Renata foi consultora da Divisão de Gênero e Diversidade do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) entre 2015 e 2019. Foi também assistente de pesquisa da equipe do projeto LAPORA - Latin American Anti-racism in a Post-Racial Age, da Universidade de Manchester e da Universidade de Cambridge (2017 e 2018).

Silvia Aguião é doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (2014), mestre em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social/ UERJ e graduada em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Realizou pós-doutorado no Centro Brasileiro de Análise e Planejamento - CEBRAP (2016-2018). Atualmente é pesquisadora associada do Centro Latino-Americano em Sexualidade e Direitos Humanos (CLAM/UERJ) e editora executiva de Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Latinoamericana. Tem experiência na área de Ciência Sociais, desenvolvendo estudos e pesquisas, a partir de uma perspectiva insterseccional, nas áreas de sexualidade, gênero e raça em suas interfaces com sociabilidade, políticas e direitos, movimentos sociais e processos de formação de Estado.

Uvanderson Vitor da Silva possui graduação em Ciências Sociais e Mestrado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP). É doutor em Sociologia Política pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade Do Estado do Rio de Janeiro (IESP-UERJ). Atuou como consultor em diversas organizações sociais e no poder público. Suas áreas de interesse e atuação são sociologia política, cidadania, desigualdades e relações raciais. Atualmente é coordenador do Fundo Brasil de Direitos Humanos.

Márcio Macedo possui graduação em Ciências Sociais e Mestrado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP). É Master of Arts e Sociology PhD Candidate pela The New School for Social Research. Atualmente trabalha como professor e coordenador de diversidade da FGV EAESP. Suas áreas de atuação e interesse são sociologia urbana, sociologia da cultura, sociologia política, relações raciais, pensamento social brasileiro e biografia.

Pós-doutores (International interdisciplinary Postdoctoral Program IPP-CEBRAP):

Anna Venturini é pós-doutoranda vinculada ao Programa Internacional e Interdisciplinar de Pós-Doutorado (IPP) do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP) com a pesquisa "Affirmative Action in Brazilian and U.S. Graduate Schools: Decision-Making Process and Patterns of Institutional Change". Doutora em Ciência Política pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), tendo realizado parte de sua pesquisa de doutoramento como pesquisadora visitante na Universidade de Harvard (EUA, 2017). Mestre em Direito do Estado (2014) e Bacharel em Direito (2010) pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). Pesquisadora associada do Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (GEMAA) do IESP/UERJ e do Núcleo de Direito, Gênero e Identidade da FGV Direito SP. Membro do comitê editorial do periódico Cadernos de Estudos Sociais e Políticos (CESP) no período de 2016-2018. Integrante da Comissão de Igualdade Racial da OAB-SP no biênio de 2016-2018. Tem experiência com pesquisas qualitativas (entrevistas e grupos focais) e quantitativas (survey e análise de dados). Pesquisadora na área de ações afirmativas raciais e de gênero, políticas públicas, agenda decisória e mudança institucional com foco em abordagens multimetodológica.

Jaciane Milanezi é socióloga, vinculada ao Programa Internacional de Pós-Doutorado Interdisciplinar (IPP) do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP) desde agosto de 2019, onde realiza pesquisa sobre as interfaces entre raça, saúde pública e migração internacional na região metropolitana de São Paulo. Em 2019, obteve o doutorado em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Sua tese analisou como a institucionalização da Política Nacional de Saúde Integral à População Negra (PNSIPN) foi recepcionada e gerida em burocracias locais da Estratégia Saúde da Família (ESF) no município do Rio de Janeiro. Atualmente, é coordenadora-adjunta do Seminário de Pesquisa de Pós-Graduação (SPG) 24 – A Questão Racial: cultura, discriminação e políticas públicas, da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (ANPOCs). Durante seu doutorado, foi pesquisadora do Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre Desigualdade (NIED/UFRJ) e professora adjunta de Sociologia no Departamento de Sociologia e Metodologia das Ciências Sociais (GSO) na Universidade Federal Fluminense (UFF). É mestre em Sociologia (2011) pela Universidade de Brasília (UNB) e bacharel em Relações Internacionais (2004) pela Universidade Católica de Brasília (UCB). Entre 2003 e 2012, trabalhou como assessora na implementação de políticas públicas sociais e projetos de cooperação internacionais multilaterais para o governo brasileiro.

Parceiros

AfroBiotaBPBESCEM - Cepid/FAPESPCENERGIA/COPPE/UFRJCPTEDRCLAS - HarvardIEPSLAUT

Apoiadores

Fundação Maria Cecilia Souto VidigalFundação Tide SetubalGalo da manhãInstituto IbirapitangaInstituto UnibancoItaú Social