Quem paga a conta do desmatamento somos nós

Rafael Araujo
O que está desmatado na Amazônia já é suficiente para garantir o aumento da produção de alimentos. Destruímos os serviços ambientais de áreas enormes e não colocamos absolutamente nada no lugar

É comum em discussões ambientais que a Amazônia seja reduzida a um estoque de carbono, tendo como o objetivo da sua preservação evitar a emissão de gases do efeito estufa que geram consequências globais. No entanto, a floresta provê muitos outros benefícios que afetam primordialmente os brasileiros. A floresta amazônica abriga quase 400 bilhões de árvores 1. Embora seja difícil enxergar as proporções continentais da Amazônia apenas com números, podemos combiná-los com a nossa imaginação para apreciar o papel que todos esses seres desempenham em nossos afazeres cotidianos. A cada dia, cada árvore busca a sobrevivência, esticando os galhos em busca de luz e esticando as raízes em busca de água. Por milhões de anos essa foi uma fórmula de sucesso, que manteve a floresta onde ela está. Nesse processo de sobrevivência, cada árvore nos presta um favor, ou ainda, um serviço ambiental: nos provê água.

As árvores recuperam água do solo e transpiram, devolvendo à atmosfera a umidade que tinha inicialmente chegado como chuva. Os ventos transportam essa umidade formando enormes rios voadores, descarregando em forma de chuva quantidades superiores à vazão do próprio rio Amazonas, afetando as chuvas em uma escala continental. A Amazônia afeta a chuva dos produtores de soja no Mato Grosso e dos produtores de cana-de-açúcar em São Paulo. Afeta a chuva que determina a navegabilidade do rio Paraná e suas hidrelétricas. Afeta outros países que nem possuem a Amazônia em seu território 2.

Uma implicação desse sistema climático é que o desmatamento diminui as chuvas em escala continental. A cada árvore desmatada é como se destruíssemos uma enorme bomba d’água, responsável por regular uma fração da chuva em algum lugar da América do Sul. A floresta, que sobreviveu por milhões de anos, vem sendo desmatada a passos largos em um espaço de poucas décadas, 17% 3 da floresta amazônica já foi colocada abaixo, e o desmatamento leva consigo a nossa água.

Mais transparência nas discussões sobre quem perde e quem ganha com o desmatamento em cada região da Amazônia é fundamental

Há vários motivos para estarmos caminhando nessa direção. Um deles é a miopia ou inação. Empurramos o problema para frente, na esperança que soluções futuras aparecerão. Esquecemos, porém, que outros desafios se avizinham. O aquecimento global terá um impacto próprio no regime de chuvas, diminuindo a disponibilidade de água em muitas regiões do Brasil. Se por um lado as decisões unilaterais do Brasil não possuem um impacto tão grande na trajetória do aquecimento global, a decisão de proteger ou não a Amazônia cabe primordialmente a nós, brasileiros. Nos anos 2000, o Brasil desenvolveu um arcabouço eficiente de políticas públicas para combater o desmatamento, combinando o uso de tecnologia de monitoramento remoto, fiscalizações focalizadas e a proteção de unidades de conservação e terras indígenas. Ou seja, temos em nossas mãos um instrumento poderoso para combater parte das mudanças climáticas.

Um segundo motivo é o negacionismo. Talvez tenhamos falhado na comunicação. Para que fique claro, a existência dos rios aéreos e a influência deles pela floresta é um consenso científico. O que significa que diferentes pesquisadores, de diferentes instituições, utilizando diferentes métodos, chegaram às mesmas conclusões. Fosse algo mais tangível, a diminuição dos rios voadores poderia já ter gerado pressão de regiões de dentro e fora do Brasil para a manutenção dos serviços ambientais da floresta. Existem tratados internacionais regulando o uso múltiplo de rios entre países e agências reguladoras que cuidam do uso de rios entre diferentes entes de um mesmo país. No entanto, nada parecido existe para os rios aéreos.

A valoração dos rios voadores deveria sempre integrar as discussões sobre o desmatamento. Em particular, é de suma importância considerar o valor gerado pelas unidades de conservação e terras indígenas para os diferentes setores da economia. Ignorar o valor desse serviço ambiental, usando da apatia de partes do setor público e da sociedade que se apoiam no negacionismo da ciência, é restringir as possibilidades de desenvolvimento das populações locais e colocar em risco o desenvolvimento de todo o país e partes da América do Sul.

O processo de ocupação da Amazônia é desorganizado e ineficiente. O que está desmatado já é suficiente para garantir o aumento da produção de alimentos 4. Há uma quantidade enorme de terras que são desmatadas e posteriormente abandonadas. Destruímos os serviços ambientais de áreas enormes e não colocamos absolutamente nada no lugar. Quando colocamos, em geral, trata-se de uma atividade de baixa produtividade, um reflexo do quão ruim são as alternativas econômicas da população local. Ainda, as constantes mudanças e incertezas jurídicas sobre direitos de propriedade geram uma corrida pelo desmatamento, e regularizações frágeis se tornam moeda de troca política. Nossas instituições fracas estão falhando com a Amazônia e com todas as pessoas que dependem direta ou indiretamente dela.

Mais transparência nas discussões sobre quem perde e quem ganha com o desmatamento em cada região da Amazônia é fundamental. Temos as ferramentas necessárias para isso 5. No entanto, a implementação dessa transparência não surgirá de forma espontânea. Os setores que são afetados pelo desmatamento precisam pressionar o governo federal e governos locais em prol de uma agenda robusta e transparente de conservação. Da mesma forma, o governo deve entender que a conservação da Amazônia passa necessariamente por fortalecer as populações e governos locais, em especial comunidades indígenas que trabalham de forma eficiente na preservação da floresta.

Rafael Araujo é analista sênior na área de Infraestrutura no CPI (Climate Policy Initiative) Brasil. Seus principais interesses de pesquisa são organização industrial empírica e economia ambiental. Ele tem conduzido pesquisas sobre o impacto da infraestrutura no desmatamento, o impacto do desmatamento nas chuvas e políticas ótimas para conter o desmatamento. Rafael é doutorando em economia e mestre em economia pela EPGE FGV (Escola Brasileira de Economia e Finanças da Fundação Getulio Vargas) e bacharel em economia pela FEA USP (Faculdade de Economia da Universidade de São Paulo).

Os artigos publicados na seção Opinião do Nexo Políticas Públicas não representam as ideias ou opiniões do Nexo e são de responsabilidade exclusiva de seus autores.

Parceiros

AfroBiotaBPBESBrazil LAB Princeton UniversityCátedra Josuê de CastroCENERGIA/COPPE/UFRJCEM - Cepid/FAPESPCPTEClimate Policy InitiativeGEMAADRCLAS - HarvardIEPSJ-PalLAUTMacroAmb