Como estimular o desenvolvimento das funções executivas em crianças

Chrissie Ferreira de Carvalho

Tese

Programa de estimulação das funções executivas: contribuições para o desenvolvimento cognitivo de crianças em situação de vulnerabilidade e expostas ao manganês

autora

Chrissie Ferreira de Carvalho LATTES

orientador

Neander Abreu

Área e sub-área

Psicologia, Neuropsicologia

Publicado em

Universidade Federal da Bahia

Defendido em

29/08/2017

Link para o original

Esta tese de doutorado, defendida na UFBA (Universidade Federal da Bahia), analisa a implementação do chamado Programa de Intervenção em Funções Executivas Heróis da Mente, adotado em escolas do estado para estimular o desenvolvimento de funções executivas de crianças que vivem em situação de vulnerabilidade social.

As funções executivas são o conjunto de habilidades fundamentais que toda pessoa tem para controlar suas ações e tomar decisões com independência e responsabilidade. A exposição a situações de vulnerabilidade pode comprometer o desenvolvimento dessas habilidades. A pesquisa concluiu, contudo, que a execução do programa Heróis da Mente nas escolas trouxe benefícios para as crianças examinadas.

A qual pergunta a pesquisa responde

Quais os efeitos de um programa de estimulação baseado no desenvolvimento das funções executivas sobre as habilidades de crianças em idade escolar e em situação de alta vulnerabilidade?

Por que isso é relevante?

A pesquisa mostra que crianças que estão em situação de risco — ou seja, que estão vulneráveis a prejuízos no desenvolvimento das funções executivas e a problemas de comportamento — poderão minimizar os efeitos sobre a saúde mental a longo prazo ao participarem de programas preventivos e de estimulação focados na promoção de habilidades executivas e de autorregulação.

Resumo da pesquisa

Este estudo objetivou avaliar a eficácia da implementação do PHM (Programa de Intervenção em Funções Executivas Heróis da Mente) em crianças expostas ambientalmente ao manganês. A pesquisa examinou três grupos de crianças com idades entre 7 e 12 anos que estudam em três escolas públicas da Bahia. Participaram crianças expostas cronicamente ao manganês, residentes no município de Simões Filho (BA), divididas em dois grupos: o grupo controle, que continuou com suas atividades regulares, e o grupo experimental, que participou do PHM. Além disso, o PHM foi implementado em um grupo de crianças com desenvolvimento típico e sem histórico de exposição ao manganês de Salvador. O programa foi executado por professores em sala de aula pelo período de quatro meses. Os resultados mostraram que o grupo de crianças expostas ao manganês que participou do PHM apresentou ganhos mais expressivos e com maior tamanho de efeito em memória de trabalho, flexibilidade cognitiva e fluência verbal fonêmica. Houve também efeito de transferência para outras habilidades cognitivas e acadêmicas, como atenção visual e habilidades de escrita, em comparação ao grupo controle. Já o grupo com desenvolvimento típico apresentou melhores funções executivas na linha base e demonstrou melhora significativa em tomada de decisão e em velocidade de processamento em tarefas que demandam controle inibitório e flexibilidade cognitiva. Os resultados indicaram benefícios alcançados pelas crianças que participaram do PHM em diferentes aspectos das funções executivas.

Quais foram as conclusões?

Os resultados confirmaram que a exposição crônica ao manganês está associada a prejuízos em memória verbal, funções executivas e comportamento hiperativo em crianças entre 7 e 12 anos. A pesquisa também mostrou que a participação no programa de estimulação das funções executivas Heróis da Mente é capaz de beneficiar diferentes dimensões das funções executivas.

Quem deveria conhecer os seus resultados?

Pessoas envolvidas na gestão de escolas e programas de cunho preventivo para o contexto escolar, uma vez que o programa desenvolvido durante a pesquisa se mostrou eficaz para estimular as funções executivas em sala de aula.

Referências

Cardoso, C. de O., Dias, N., Senger, J., Colling, A. P. C., Seabra, A. G., & Fonseca, R. P. (2016). Neuropsychological stimulation of executive functions in children with typical development: A systematic review. Applied Neuropsychology: Child, 0(0), 1–21. Disponível aqui.

Carvalho, C. F. de, Oulhote, Y., Martorelli, M., Carvalho, C. O. de, Menezes-Filho, J. A., Argollo, N., & Abreu, N. (2018). Environmental manganese exposure and associations with memory, executive functions, and hyperactivity in Brazilian children. NeuroToxicology, 69, 253–259. Disponível aqui.

Diamond, A., & Ling, D. S. (2016). Conclusions about interventions, programs, and approaches for improving executive functions that appear justified and those that, despite much hype, do not. Developmental Cognitive Neuroscience, 18, 34–48. Disponível aqui.

Dias, N. M., & Seabra, A. G. (2016). Intervention for executive functions development in early elementary school children: effects on learning and behaviour, and follow-up maintenance. Educational Psychology, 3410(October), 1–19. Disponível aqui.

Hermida, M. J., Segretin, M. S., Prats, L. M., Fracchia, C. S., Colombo, J. a., & Lipina, S. J. (2015). Cognitive neuroscience, developmental psychology, and education: Interdisciplinary development of an intervention for low socioeconomic status kindergarten children. Trends in Neuroscience and Education, 4(1–2), 15–25. Disponível aqui.

Chrissie Ferreira de Carvalho é professora do Departamento de Psicologia da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), em Florianópolis. É psicóloga pela UFBA (Universidade Federal da Bahia) e mestre e doutora pelo Programa de Pós-Graduação de Psicologia da mesma instituição. Especialista em neuropsicologia pela UFBA. Fez doutorado sanduíche e pós-doutorado no Laboratory for Developmental Studies da Universidade de Harvard (EUA). É co-coordenadora do Linha (Laboratório de Pesquisa Interdisciplinar em Neurodesenvolvimento Humano) e do Lance-UFSC (Laboratório de Neuropsicologia Cognitiva e Escolar).

Parceiros

AfroBiotaBPBESCEM - Cepid/FAPESPCENERGIA/COPPE/UFRJCPTEDRCLAS - HarvardIEPSLAUT

Apoiadores

Fundação Maria Cecilia Souto VidigalFundação Tide SetubalGalo da manhãInstituto IbirapitangaInstituto UnibancoItaú Social